quinta-feira

Obina: De xódo a capitão da lista de jogadores negociáveis



Obina passou de xodó rubro-negro a capitão da lista de jogadores negociáveis. Depois de ter seu nome envolvido numa possível troca com Lúcio Flávio, do Santos, ontem foi a vez de o nome do atacante aparecer como possível reforço do Coritiba. Marcelinho Paraíba, que deixou a Gávea para defender e fazer gols pelo Coxa, teria indicado o nome de Obina. Já Josiel pode acertar sua transferência para o Atlético-PR.

Um contato dos dirigentes do Coritiba com cartolas rubro-negros pode acontecer nos próximos dias. “Estamos em busca de uma referência, homem de área. Temos poucos jogadores assim disponíveis no mercado. Obina é um jogador interessante, vamos aguardar”, afirmou o diretor de futebol do Coritiba, Homero Halila.

A trajetória de Obina na Gávea está perto do fim. Conhecido por gols decisivos e tido como xodó da torcida, o atacante vive uma temporada para ser esquecida. Depois de começar como titular absoluto e homem de confiança de Cuca, o atacante caiu em desgraça e passou a amargar a reserva e conviver com vaias. Em 2009, já são 14 jogos sem fazer um gol.

“Quem precisa decidir isso é o próprio Obina. Neste momento, a opinião dele é o que é mais importante. O que eu penso não importa. Ele precisa sentir o que é melhor”, afirmou Cuca, que não se mobilizou pela permanência do jogador.

Josiel também pode dar adeus. “O Josiel sabe que não poderemos pagar o mesmo salário que ele recebia no Flamengo, mas aqui ele terá uma grande estrutura e vai receber em dia. Porém, temos que negociar com o Al-Wahda, dono dos seus direitos federativos. Se ele liberarem, vamos negociar com o jogador”, afirmou o presidente do Atlético-PR, Marcos Malucelli.

Josiel tem contrato com o Flamengo até junho e, apesar dos 11 gols marcados no Campeonato Estadual, o clube não tem interesse em prorrogar o empréstimo do jogador. Na Gávea, o atacante tem um dos salários mais altos do elenco, recebendo algo em torno de R$ 190 mil. Para acertar com o Furacão, ele teria de aceitar proposta mais modesta.

[O Dia]

Nenhum comentário: