quinta-feira

Flamengo inverte a sorte de lado e derrota o Galo no Maracanã


Time de Andrade, com moral, emplaca 2ª vitória seguida e já é o sétimo

O Flamengo não teve muitas dificuldades para bater o Atlético Mineiro, por 3 a 1, nesta quinta-feira, no Maracanã. Com muita autoridade, virou o jogo e se impôs, com gols de Léo Moura, Kleberson e Everton. Mas precisou de um elemento a mais para conquistar sua segunda vitória direta sob o comando de Andrade, em ascensão: a sorte.

Com o resultado, o time rubro-negro é o sétimo coloado, com 23 pontos. Já o Galo, em má fase, ainda se segura em segundo, com 28.

Ah, nostalgia. Se não foi muito, os cinco minutos iniciais da partida tiveram o gostinho dos velhos duelos entre Flamengo e Atlético: ofensivos e cheio de alternativas. Mas não durou, e comprovou uma tese: o time de Celso Roth pode até ser razoável, mas tem lá sua sorte. Isso porque no primeiro lance, Léo Moura perdeu chance incrível, sozinho na área. Em seguida, Aírton bobeou, Serginho roubou a bola e, com rapidez, serviu Éder Luís, que não perdoou: 0 a 1.

Em desvantagem, o Flamengo perdeu, mesmo que por fugazes momentos, o apoio da torcida, irritada, crendo que daria tudo errado outra vez. Nem mesmo a estrela de Andrade, que brilhou na Vila Belmiro e rendeu três pontinhos, vinha à memória. Para piorar, a dupla de ataque mineira mostrava seu habitual entrosamento, e perturbava os cariocas nos contragolpes.

Só que, com o decorrer do jogo, e principalmente com o gramado escorregadio, o Galo passou a errar passes e a se fechar na defesa, deixando o rival jogar. O problema é não ter zagueiros nem laterais confiáveis. Léo, pelo lado esquerdo da retaguarda, e até Everton, no outro extremo, deitavam e rolavam. Tanto que a esmagadora maioria das chances criadas pelo Fla vinha de cruzamentos.

Não à toa, os gols da virada saíram por ali, com o lateral, que reclamou das vaias que sistematicamente têm ouvido, após perfeito passe de Toró, e com Kleberson, celebrando a convocação, mas não sem antes agradece a boa assistência de Everton, do bico da área. E, se não o fim da etapa, teria mais. Salvo em uma ou outra tentativa de trama entre Júnior e Tardelli, o Rubro-Negro também sobrava em terreno no meio-de-campo.

Prova da flagrante ineficiência do Atlético foram as duas mudanças feitas por Celso Roth logo no intervalo. O experiente Júnior e Serginho saíram para dar lugar a Evandro e Marcos Rocha. Com isso, Marcio Araújo, antes improvisado como lateral, voltou à posição de apoiador. O efeito desejado, no entanto, não foi atingido.

Mole, a equipe de Belo Horizonte não mostrava reação. O panorama seguiu quase o mesmo. Em falha de Aranha - nem ele se salvava -, Emerson deu até bicicleta, meio torta. O treinador alvinegro, impaciente, ainda perdeu Márcio Araújo, lesionado, e pôs Pedro Paulo. De fato, a sorte mudara de lado. Sem dificuldades, o Flamengo tocava a bola. Logo, logo, de forma natural, saiu o terceiro. Everton foi premiado, depois de passe de Adriano na área.

A maré do Galo, longe da liderança do Brasileirão e do futebol intenso que o levou até lá, se tornou um pesadelo ao Éder Luís sinalizar que não poderia mais continuar. Mas, ao olhar para o banco, Roth viu que substituíra três vezes.
O jeito foi o atacante se isolar na frente, no sacrifício. A essa altura, aos gritos de "Fica, Andrade", a massa rubro-negra já vibrava pela vitória.

O jogo estava morno e, por mais que os mineiros, valentes, tentassem algo, nada dava mais certo. Ô, sorte! Mesmo machucado, Éder viu Bruno fazer grande defesa em chute seu, ao lado da meia-lua. Já próximo dos 40, Diego Tardelli fez tudo certinho, costurou a defesa, mas ficou sem ângulo e só acertou a trave. Andrade fazia testes. Entraram Zé Roberto e Everton Silva - este por precaução.

E foi isso. Depois de sofrer na mão do adversário, odiado historicamente, em algumas oportunidades recentes, o Flamengo cantava de galo com autoridade no Maracanã.

FICHA TÉCNICA:
FLAMENGO 3 X 1 ATLÉTICO MINEIRO

Estádio: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data/hora: 30/07/2009 - 21h (de Brasília)
Árbitro: Leonardo Gaciba (Fifa-RS)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa-PR) e Paulo Ricardo da Silva Conceição (RS)
Renda/público: 462,587,00 / 26.934 pagantes (29.490 presentes)
Cartões amarelos: Ronaldo Angelim e Aírton (FLA); Marcos Rocha (ATL)
Cartões vermelhos: -
GOLS: Éder Luís, 3'/1ºT (0-1), Léo Moura, 36'/1ºT (1-1); Kleberson, 38'/1ºT (2-1); Everton, 14'/2ºT (3-1)

FLAMENGO: Bruno, Welinton, Aírton e Ronaldo Angelim; Leonardo Moura, Toró (Camacho, 24'/2ºT), Willians, Kleberson e Everton (Everton Silva, 38'/2ºT); Emerson (Zé Roberto, 31'/2ºT) e Adriano. Técnico: Andrade.

ATLÉTICO MINEIRO: Aranha; Márcio Araújo (Pedro Paulo, 10'/2ºT), Werley, Welton Felipe e Thiago Feltri; Jonílson, Renan, Serginho (Marcos Rocha, intervalo) e Júnior (Evandro, intervalo); Éder Luís e Diego Tardelli. Técnico: Celso Roth.

LN

Nenhum comentário: