quarta-feira

O semestre em 90 minutos: Inter e Fla decidem quem segue na Copa do Brasil



Campeões estaduais, clubes têm a responsabilidade de não morrer cedo na disputa nacional. Jogão começa às 21h50m (de Brasília)


É como se um semestre inteiro dependesse de 90 minutos. Quase seis meses de trabalho e planejamento, 140 dias, mais de 3 mil horas na temporada, tudo passa por um jogão no Beira-Rio para Internacional e Flamengo. Ganhar Estadual é bom, é necessário, mas a torcida quer muito mais. Para dois gigantes do futebol brasileiro, a Copa do Brasil tem ares de obrigação. E um deles ficará mais perto de cumprir a meta a partir das 21h50m (de Brasília). A casa dos colorados estará lotada para uma partida que vale muito.

O primeiro encontro, semana passada, no Maracanã, teve empate por 0 a 0. O Flamengo joga por qualquer vitória e também por igualdade com gols. Ao Inter, resta vencer, seja qual for o placar. Novo 0 a 0 leva a decisão aos pênaltis. O adversário nas semifinais será o Coritiba, que nesta terça derrotou a Ponte Preta por 2 a 1, no Couto Pereira. Em Campinas, as duas equipes haviam empatado por 2 a 2.

O jogo do Gigante é uma medição de forças entre a defesa do Inter, que não sofre gols há seis jogos, e o ataque do Flamengo, que resolveu colecionar gols perdidos. Apontado como melhor time do país, justamente no ano em que completou 100 anos, o Colorado diz que não é favorito a avançar na competição. No jogo do Rio, o Rubro-Negro provou que pode segurar o poderio ofensivo do trio D’Alessandro-Taison-Nilmar. Os cariocas estiveram mais perto da vitória do que os gaúchos no Maracanã.

A missão do Flamengo não é nada simples. O Inter não perde em casa há quase seis meses. A última derrota foi em 3 de dezembro do ano passado. O Estudiantes, da Argentina, fez 1 a 0 no tempo normal, mas o Colorado ficou com o título da Sul-Americana ao vencer na prorrogação.

Em 2009, são 17 jogos no Beira-Rio, com 16 vitórias e apenas um empate, o 0 a 0 com o Santa Cruz na primeira rodada do Campeonato Gaúcho. O time colorado não sofre gols, em casa ou como visitante, desde 19 de abril, quando fez 8 a 1 no Caxias e conquistou o Campeonato Gaúcho. São seis jogos sem ser vazado, incluindo duelos com equipes fortes, como Corinthians, Palmeiras e o próprio Flamengo.

Os números não poderiam ser mais positivos. Motivos de certeza de classificação? Para Tite, nada disso.

- Cada adversário, cada jogo, é sempre uma característica diferente. Estamos falando de um clássico do futebol brasileiro, de duas equipes com jogadores de seleção, de um tricampeão carioca e de um bicampeão gaúcho. Cada jogo é uma história – comentou o treinador.

Foco nos próprios problemas

Presente em três finais das últimas quatro Copas do Brasil que disputou, 2003, 2004 e 2006 (em 2007 e 2008 esteve na Libertadores), o Flamengo joga contra uma série de adversidades para se manter vivo na competição. Como se não bastasse a força do adversário, aclamado como o melhor do Brasil, os cariocas enfrentam um jejum de gols do ataque que já dura três partidas e a briga entre Juan e Cuca na última segunda-feira.

Diante de tantos problemas, o Rubro-Negro prefere deixar de lado o que acontece no rival e trabalhar para fazer a sua parte.

- Não estamos preocupados com a forma que o Internacional vai jogar. Eles têm um grande time e um jeito próprio. Temos que nos preocupar em fazer um bom jogo, equilibrado em todos os sentidos. Vai ser extremamente difícil – disse o técnico Cuca.

Os elogios após a atuação na primeira partida das quartas de final, no Maracanã, ficaram para trás. Para Cuca, repetir aquela exibição não será suficiente para deixar Porto Alegre com a classificação para a fase seguinte.

- Estivemos em um dia bom no primeiro jogo, mas agora temos que estar ainda melhores. Senão a dificuldade só aumenta. Sei dos problemas que vamos enfrentar no Beira-Rio. Temos que jogar mais do que no Maracanã para passarmos adiante.

Sobre a má fase do ataque, o treinador foi objetivo e deu o recado:

- Vai ser preciso eficiência. Não teremos tantas oportunidades como tivemos no Maracanã.

Para solucionar o problema da falta de gols, Cuca aposta no retorno de Zé Roberto, sacado desde a final do Estadual. O companheiro do camisa 10, porém, ainda é uma incógnita. O treinador espera por Emerson, que se recupera de lesão. Caso o Sheik seja vetado, Obina entra como titular.

Ficha do jogo

INTERNACIONAL FLAMENGO

Lauro, Danilo Silva, Índio, Álvaro e Kleber; Sandro, Rosinei, Guiñazu e D’Alessandro; Taison e Nilmar.
Técnico: Tite.

Bruno, Willians, Aírton e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Toró, Ibson, Kleberson e Juan; Zé Roberto e Emerson (Obina).
Técnico: Cuca.
Estádio: Beira-Rio, em Porto Alegre (RS).
Data: 20/05/2009. Horário: 21h50m (de Brasília).
Árbitro: Paulo César Oliveira (Fifa SP).
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa SP) e Vicente Romano Neto (SP).

[GE]

Nenhum comentário: