sexta-feira

Longe do fundão há dois anos, Fla sonha com volta ao topo após longo jejum


Nas últimas temporadas, Rubro-Negro fez boas campanhas e afastou o medo do rebaixamento. Meta agora é levantar a taça depois de 17 anos


Tricampeão carioca pela quinta vez, o Flamengo entra no Brasileirão de 2009 para conseguir o algo mais que faltou nos últimos dois anos. Terceiro colocado em 2007 e quinto em 2008, o Rubro-Negro parece ter deixado de lado a convivência com o fantasma do rebaixamento e sonha voltar ao outro extremo da tabela, com o título que não chega há 17 anos.

E, ao menos no papel, esse diferencial tem nome e apelido: Adriano, o Imperador. Repatriado, ele é a aposta para suprir a carência de gols que afligiu o Flamengo nas últimas temporadas. A questão, no entanto, é quando ele poderá entrar em campo. Se Adriano chega com status de salvador, há também o lado inverso da questão: jogadores importantes, como o volante Ibson e o lateral-direito Léo Moura, podem deixar o clube na janela de transferências. No ano passado, foi exatamente nesse período que o time perdeu o rumo.

DESEMPENHO NO ANO

24 jogos, 15 vitórias, sete empates e duas derrotas; 50 gols marcados e 24 sofridos. O aproveitamento é de 72,2%, o sexto maior entre os 20 participantes da Série A. 72

Artilheiros: Josiel (11 gols), Juan (sete) e Zé Roberto (cinco).

O MELHOR E O PIOR JOGO

Flamengo 1 x 3 Resende

Com posturas totalmente distintas, o Flamengo mostrou nas duas semifinais de turno que disputou no Carioca o quanto pode ser frágil ou avassalador. Contra o Resende, na partida que valia uma vaga na decisão da Taça Guanabara, o que se viu foi uma equipe preguiçosa e previsível em campo, apática diante de um adversário bem disposto e que aumentou a lista de vexames no Maracanã com a derrota por 3 a 1.

Flamengo 1 x 0 Fluminense

Do lado de cima desta gangorra, porém, há um time que funcionou bem sob pressão na reta decisiva do Carioca, principalmente na semifinal da Taça Rio, contra o Fluminense. Embalado por um discurso emocionado do então capitão Fábio Luciano, o Flamengo foi seguro na defesa e efetivo no ataque, com avanços alternados dos laterais, com a ajuda sempre de um volante, e contra-ataques velozes. Resta saber qual faceta será mais comum no Brasileirão.

OPINIÃO

"Vamos usar o que temos de melhor. É o momento de dar sequência a esta boa fase. Durante a competição, temos que ter muito cuidado com a janela (de transferência). Vamos fazer um trabalho de observação para manter o time forte".
Cuca, técnico do Flamengo

CURIOSIDADES

- Bujica marcou apenas três vezes nBrasileiro de 1989, mas o suficiente para se tornar o artilheiro rubro-negro naquela edição. Dois dos três gols foram na vitória por 2 a 0 sobre o Vasco.

- Carlinhos foi o treinador que esteve à frente do time rubro-negro em mais edições: seis (1983, 1987, 1992, 1994, 1999 e 2000). Também dirigiu o Guarani em 1993.

- Das 38 edições do campeonato, o Flamengo teve a maior média de público em 11. O recorde é de 1980: 66.507 pagantes por jogo.

[GE]

Nenhum comentário: