sábado

Há quase 300 minutos sem marcar, Fla empata com o Avaí e é vaiado



Último gol rubro-negro foi de Emerson, ainda na vitória por 3 a 0 sobre o Fortaleza, pela Copa do Brasil. Bruno evita derrota no fim


O grito segue entalado. Há mais de três partidas, 298 minutos ou mais precisamente desde os 27 do segundo tempo da vitória por 3 a 0 sobre o Fortaleza pela Copa do Brasil, a torcida do Flamengo não sabe o que é gritar gol. Neste sábado, o jejum teve continuidade contra o Avaí, pela segunda rodada do Brasileirão, no Maracanã, e o empate por 0 a 0 só foi possível graças a uma série de defesas de Bruno no fim do segundo tempo.

Com o resultado, o Flamengo conquistou o primeiro ponto na competição e está na décima-sexta posição. Enquanto isso, o Avaí segue invicto no retorno à primeira divisão, com dois empates, que o colocam na sétima posição.

Na próxima rodada o Flamengo encara o Santo André pela primeira vez desde a fatídica decisão da Copa do Brasil, em 2004. O reencontro está marcado para domingo, às 18h30m, no estádio Bruno José Daniel, no ABC Paulista. Já o Avaí, no mesmo dia e no mesmo horário, recebe o Coritiba, na Ressacada, em Florianópolis.

Goleiro defende, bola bate na trave e Fla segue sem marcar

A seca de gols não se transformou em ansiedade nos minutos iniciais. Sem marcar há duas partidas, o Flamengo começou a partida sem pressa e tocando a bola de um lado para o outro. Com o Avaí quase todo atrás da linha da bola, os rubro-negros mostravam paciência, que acabou se transformando em marasmo e quase foi punida aos três e aos quatro minutos.

Primeiro, Kleberson perdeu a bola no meio-campo e Muriqui avançou em velocidade. O ex-vascaíno cortou para o meio na entrada da área e chutou em cima da zaga. Logo depois foi a vez de Léo Moura errar o passe e proporcionar o contra-ataque. William tentou a jogada pela esquerda, mas foi desarmado por Aírton.

Sem conseguir entrar na área, o Flamengo concluiu pela primeira vez, com Toró, aos oito, em chute sem direção. No minuto seguinte, Ferdinando respondeu da mesma forma e obrigou Bruno a fazer boa defesa. A partida ganhou dinamismo e no lance seguinte o Rubro-Negro assustou: Léo Moura cruzou no segundo pau, a zaga afastou mal, Juan escorou e Josiel emendou de canela para fora.

Foram três minutos de ilusão e novamente a partida ficou truncada. Com muitos passes errados, o Flamengo tropeçava nas próprias pernas. Aos 18, Ibson e Juan tabelaram pela direita e o lateral serviu Everton, que girou para cima da zaga e chutou fraquinho.

Seis minutos depois, duas boas oportunidades em sequência. Josiel avançou pela ponta e serviu Ibson, que chutou forte. A bola desviou na zaga e saiu pela linha de fundo. Na cobrança de escanteio, o camisa 9 se antecipou a Eduardo Martini e cabeceou por cima do gol.

Diante da inoperância do ataque do Flamengo nos últimos jogos, Josiel ao menos era participativo e aos 34 fez o papel de pivô. Ele rolou para Léo Moura invadir a área e arriscar de primeira. André Turatto fez o corte. Poucos depois, duas boas chances desperdiçadas pelos cariocas. Aos 37, Bruno ficou com a bola após escanteio e lançou Juan com rapidez. O lateral-esquerdo tocou de primeira para Everton, que achou Ibson na área. O volante driblou o zagueiro e chutou de canhota. Eduardo Martini fez a defesa e no rebote Everton serviu Juan, que escorou para fora.

Distante da boa atuação na partida contra o Inter, o Flamengo ao menos pressionava, mas o gol seguia teimando em não sair. Aos 44, Léo Moura cobrou falta com perfeição e a bola explodiu no travessão. No minuto seguinte, Toró deu bom passe para Josiel. O atacante deixou Turatto caído e emendou para a defesa de Eduardo Martini.

Foi o último lance de um primeiro tempo, encerrado sob vaias dos rubro-negros.

- Pô, a bola não entra. Impressionante – lamentou Léo Moura antes de descer para o vestiário.

Filme repetido: ataque não faz, e Bruno salva no fim

O panorama continuou o mesmo na segunda etapa: o Flamengo se mandava para o ataque e o Avaí raramente se aventurava no ataque. Uma dessas tentativas dos catarinenses, porém, fez Bruno trabalhar forte. Aos quatro, Muriqui bateu forte no canto direito e o goleiro defendeu bem.

Aos cinco, Josiel desperdiçou grande chance. Kleberson serviu o atacante, que invadiu a área e isolou. Cinco minutos depois Willians resolveu arriscar. Ele cortou para dentro, para fora, e bateu em cima do zagueiro. No contra-ataque, o Avaí levava perigo. Aos 13, Medina cruzou no segundo pau e Evando, na pequena área, cabeceou nas costas de Aírton.

No lado rubro-negro, seguia a “inhaca” do ataque e principalmente de Josiel. O atacante tentava de todas as formas e não era feliz. Aos 15, ele mergulhou de cabeça e jogou por cima do gol. Quatro minutos depois, polêmica. Erick Flores tentou o cruzamento e Uendel cortou com o braço. Pênalti não marcado pela arbitragem.

Aos 21, Josiel teve sua última oportunidade. Juan levantou a bola no segundo pau, o camisa 9 chutou de canhota e Eduardo Martini fez boa defesa. Logo depois o atacante foi substituído, sob vaias, por Alex Cruz.

A tranquilidade na defesa fazia o Avaí passar a acreditar na vitória e por pouco o gol não saiu aos 28. Em ato irresponsável de Bruno, que se enrolou ao driblar Evando, Lima recebeu um presente no bico da área, mas chutou mal para o goleiro se recuperar e fazer a defesa.

O camisa 1 rubro-negro mais uma vez apareceu bem aos 39. Lima chutou cruzado com força e Bruno salvou no cantinho. O camisa 1 rubro-negro mais uma vez apareceu bem aos 39. Lima chutou cruzado com força e Bruno salvou no cantinho. E o duelo do goleiro com o atacante catarinense não parou por aí. Aos 42 a última tentativa, e Bruno mais uma vez levou a melhor.

Foi o ato final da partida que encerrou com uma mistura de vaias rubro-negras e festa dos cerca de mil catarinenses que voltaram ao Maracanã para torcer pelo Avaí após 35 anos.

Ficha técnica:

FLAMENGO 0 x 0 AVAÍ

Bruno, Willians, Aírton e Ronaldo Angelim; Léo Moura, Toró, Ibson (Erick Flores), Kleberson e Juan; Everton (Maxi) e Josiel (Alex Cruz).
Técnico: Cuca.

Eduardo Martini, Ferdinando, Emerson, André Turatto e Uendel; Léo Gago (Bruno), Marcus Vinícius, Caio e Muriqui (Lima); William (Medina) e Evando.
Técnico: Sillas.

Cartões amarelos: Aírton (Flamengo) Caio, Marcus Vinícius, Ferdinando e Muriqui (Avaí).
Estádio: Maracanã.
Data: 16/05/2009.
Árbitro: Francisco de Assis Almeida Filho.
Auxiliares: Pedro Jorge Santos de Araújo e Ednilson Corona.

[GE]

Nenhum comentário: