sábado

'Nação' apela pela permanência do capitão



Fã pede a Fábio Luciano que não pare de jogar e diz que fala por 35 milhões


O grito de ‘Fica, capitão’ que surgiu nas arquibancadas do Maracanã no Fla-Flu ganhou eco. Neste domingo, quando entrar em campo, Fábio Luciano poderá disputar os últimos 90 minutos de jogo de sua carreira. Ao mesmo tempo em que o zagueiro rubro-negro sonha adiar a aposentadoria por mais duas partidas, torcida e companheiros querem mais: eles usam artifícios para tentar fazer com que o jogador desista de pendurar as chuteiras.

Durante a semana, a torcedora Juliana Medeiros, 16 anos, saiu de Jacarepaguá e foi à Gávea para entregar uma carta (veja quadro ao lado) com o que ela diz ser o pedido de uma ‘nação’ de 35 milhões de torcedores. “Ele é um símbolo do Flamengo, muito importante para o time, dentro e fora de campo. Todos querem que ele continue a jogar, tem que ficar”, afirmou a torcedora.

“Fico feliz com toda essa demonstração de carinho. Muito feliz, mesmo. Mas só penso no jogo e quero que ainda tenhamos mais dois pela frente, na decisão do Estadual”, afirmou o zagueiro, depois de ler e guardar a carta, que também trazia ensinamentos da Madre Teresa de Calcutá, como: ‘A vida é um dever, cumpra-o’.

Companheiro de zaga, Ronaldo Angelim tem feito seu ‘dever de casa’. Diariamente, ele pede para Fábio Luciano adiar sua aposentadoria. “Ele está novo, ainda tem muito futebol pela frente”, afirmou.

A corrente ganhou o mundo virtual. No site de relacionamentos Orkut, diversas comunidades pedem: ‘Fica, capitão’. Alguns torcedores prometem lançar oficialmente o projeto. Uma bandeira também foi confeccionada, com otimismo que o time do Flamengo vá para a decisão do Estadual.

Fábio Luciano começou a carreira na Ponte Preta e chegou ao Corinthians, onde conquistou o Mundial de Clubes em 2000 e a Copa do Brasil em 2002. Desde o começo, chamou a atenção pela disciplina dentro e fora de campo. O zagueiro teve passagens pelo Internacional, Fenerbahce, da Turquia, e Koln, da Alemanha.

Em 2007, chegou à Gávea e logo ganhou a confiança de todos, a faixa de capitão e o título estadual de 2008. “Ele é o melhor profissional com quem eu já trabalhei”, afirma o vice de futebol Kléber Leite.

Na preleção do Fla-Flu, Fábio Luciano pediu ao grupo: “Não deixem acabar agora”. Neste domingo, o discurso não será diferente. A torcedora Juliana, os torcedores das arquibancadas, reais e virtuais, têm apenas um coro: ‘Fica, capitão’.

[O Dia]

Nenhum comentário: