segunda-feira

Cuca fora do banco na decisão



Técnico do Fla recebe nova punição, de 90 dias, por ter entrado no vestiário enquanto estava suspenso


O Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD/RJ) continua implacável contra o técnico do Flamengo, Cuca. Em julgamento realizado nesta segunda-feira, dia 27 de abril, o comandante rubro-negro, que respondeu por ter entrado no vestiário do Maracanã enquanto estava suspenso, foi punido com 90 dias de suspensão de forma unânime. Na suspensão, válida para todas as competições organizadas pela CBF, pesou contra o treinador o fato de ele ser reincidente, uma vez que já foi condenado no início deste mês. Para completar, ele terá de voltar ao Tribunal na próxima quinta-feira, dia 30, já que foi denunciado mais uma vez, agora por manifestação desrespeitosa ao presidente do TJD/RJ, Antônio Vanderler de Lima.

A sessão desta segunda-feira foi transmitida em tempo real pelo Justicadesportiva.com.br. Com o resultado, Cuca já não poderá ficar no banco de reservas e nem integrar a comissão técnica do Flamengo no jogo da próxima quarta-feira, dia 29 de abril, contra o Fortaleza, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil. Também não poderá exercer sua função na grande decisão do Campeonato Carioca, no próximo domingo, dia 3 de maio.

Em seu depoimento, o treinador disse que não tinha ciência de que poderia estar descumprindo uma determinação da Justiça Desportiva. Ele demonstrou certa irritação nas respostas, já que os auditores pediam que se limitasse às perguntas que lhe eram feitas. O treinador tentou a todo momento explicar o que havia feito, que no seu entendimento não era nada demais. "fui apenas rezar com os jogadores".

O procurador Bruno Resende, no entanto, disse que o técnico, que faz parte de um dos maiores clubes do país, não podia não ter ciência do que significava uma punição como a que teve, ressaltando o fato de que Cuca esteve no vestiário do Maracanã, local destinado aos participantes da partida. Assim, não era um recinto ao qual o treinador poderia ter acesso.

Na defesa do técnico, o advogado Michel Assef Filho alegou que, na segunda parte do artigo 172 do CBJD, fica claro que o denunciado pode, mesmo suspenso, estar nas dependências do estádio quando seu clube for o mandante, assim como ocorreu no caso.

O advogado vai recorrer da decisão e está confiante que conseguirá o efeito suspensivo: "É um jogo importante, uma decisão, e tenho certeza de que será dado provimento ao recurso", afirmou.

Entenda o caso:

A denúncia contra o treinador foi elaborada por ele ter comparecido ao vestiário na semifinal da Taça Rio, contra o Fluminense, mesmo estando suspenso. Assim, respondeu ao artigo 223 (Deixar de cumprir ou retardar o cumprimento de decisão, resolução ou determinação da Justiça Desportiva) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

Cuca havia sido suspenso por 30 dias no dia 1º de abril por sua expulsão contra o Vasco, pela fase de classificação da Taça Rio. O departamento jurídico do Flamengo ainda tentou um efeito suspensivo, mas obteve apenas a conversão da pena, dois dias antes da decisão do segundo turno. Porém, após declarações contrárias ao presidente do TJD/RJ, Antônio Vanderler de Lima, o treinador pode ter que voltar ao Tribunal.

[JD]

Nenhum comentário: