domingo

Botafogo e Flamengo empatam, e decisão do Carioca está aberta



Zagueiro Emerson, do Alvinegro, volta a ser protagonista do clássico, participando de segundo gol do Rubro-Negro


Está tudo em aberto. Numa partida aberta e com muitas alternativas, Botafogo e Flamengo empataram em 2 a 2 neste domingo, na primeira partida da final do Campeonato Carioca. O Alvinegro saiu atrás do placar, virou, mas o Rubro-Negro igualou o resultado no fim, depois que o zagueiro Emerson voltou a protagonizar um lance decisivo, no gol de empate do time comandado por Cuca.

As duas equipes voltam a se enfrentar no próximo domingo, dia 3 de maio, às 16h, no Maracanã. A equipe vencedora conquista o título, e caso haja novo empate, haverá decisão nos pênaltis.

A emoção começou junto do apito inicial. Logo ficou claro que ambas as equipes tinham como estratégia a pressão sobre o adversário. O Botafogo apostava suas fichas no jogo ofensivo, marcando o Flamengo em seu campo ofensivo. O Rubro-Negro procurava explorar as jogadas pelas laterais.

Aos poucos, no entanto, o Flamengo foi se sobressaindo, impondo seu ritmo de jogo e fazendo valer o maior tempo de posse de bola, enquanto o Botafogo pecava na saída da defesa para o ataque. E trocando passes o Rubro-Negro abriu o placar, aos 20 minutos, depois que Emerson tocou para Juan, que foi derrubado por Alessandro na área. Os jogadores alvinegros contestaram a marcação do pênalti, mas o próprio lateral-esquerdo cobrou no canto direito de Renan, fazendo 1 a 0.

A desvantagem criou um clima de nervosismo no Botafogo, que continuava a errar passes. Este fato deu ao Flamengo mais espaços para trabalhar a bola. O Rubro-Negro teve grande chance de ampliar aos 29 minutos, num contra-ataque. Kleberson recebeu pela direita e tocou para Zé Roberto, que deixou de calcanhar para Léo Moura, mas o lateral perdeu o gol, cara a cara com Renan. Em seguida, o goleiro alvinegro fez nova defesa em chute de Emerson.

Com o passar dos minutos, o Botafogo foi se restabelecendo em campo. A equipe passou a acertar mais passes e ganhar terreno de jogo, pressionando o Flamengo. Maicosuel, que passou grande parte da semana se recuperando de dor na panturrilha esquerda, foi um tormento para a zaga rubro-negra. Ele sofreu falta de Welinton quase na linha da grande área, que exigiu atenção especial de Bruno. O goleiro insistiu que a barreira não se mexesse, mas não foi atendido. Maicosuel passou da bola, e a cobrança foi de Juninho, que chutou forte e rasteiro, empatando a partida aos 37 minutos.

A partir de então, o nervosismo passou para o lado rubro-negro. O excesso nos erros de passe eram muitos e permitiram que o Botafogo ganhasse confiança, mesmo que empurrado por uma pequena torcida. E não demorou muito para que o Alvinegro chegasse à virada. Maicosuel cobrou falta pelo lado esquerdo e Reinaldo subiu sozinho para cabecear e fazer 2 a 1 aos 43 minutos.

O Flamengo voltou para o segundo tempo com Josiel no lugar do inoperante Zé Roberto. Mas, nos minutos iniciais, a equipe continuava entregue à marcação alvinegra. O Botafogo exercia controle sobre o adversário e se entendia dentro e fora de campo. Tanto que, atendendo a uma recomendação de Reinaldo, Ney Franco substituiu Eduardo por Gabriel logo aos sete minutos, pois o atacante entendeu que o lateral corria o risco de ser expulso.

Do outro lado, o Flamengo demonstrava nervosismo, que ficou claro na falta feia cometida por Juan em Maicosuel, depois que o lateral foi driblado pelo meia e recebeu cartão amarelo. O lance gerou uma confusão em campo porque Léo Silva tomou as dores do companheiro e deu uma peitada no camisa 6. Em seguida, o Alvinegro assustou num chute de Alessandro, que acertou um chute de fora da área, e Bruno defendeu.

Mas entre os 16 e os 19 minutos, o Botafogo precisou queimar suas duas últimas substituições por causa de problemas médicos. Maicosuel deixou o campo de maca com suspeita de estiramento muscular. Em seguida, foi a vez de Reinaldo sair com o tornozelo direito inchado. Neste momento, o Flamengo se aproveitar das baixas do adversário para pressionar.

Enquanto isso, o Flamengo partia para o ataque muitas vezes com oito jogadores, mas errava passes quando chegava à área alvinegra. O Botafogo adotava uma postura mais cautelosa. A equipe sofria pressão, mas apostava nas saídas em velocidade, se aproveitando das falhas rubro-negras.

Mas sem jamais desistir, o Flamengo continuou pressionando o Botafogo até chegar ao empate aos 39 minutos. Willians avançou pelo lado direito, cortou e chutou. A bola desviou no zagueiro Emerson e entrou. Pouco antes do fim, Bruno fez grande defesa em chute de Victor Simões.

Ficha técnica:

BOTAFOGO 2 x 2 FLAMENGO
Renan, Leandro Guerreiro, Juninho e Emerson; Alessandro, Fahel, Léo Silva, Maicosuel (Reinaldo) e Eduardo (Gabriel); Reinaldo (Jean Carioca) e Victor Simões.
Técnico: Ney Franco.

Bruno, Welinton (Erick Flores), Fábio Luciano e Ronaldo Angelim; Léo Moura (Everton Silva), Willians, Kleberson, Ibson e Juan; Zé Roberto (Josiel) e Emerson.
Técnico: Cuca.
Gols: Juan, aos 20, Juninho, aos 37, Reinaldo, aos 43 minutos do primeiro tempo; Willians, aos 39 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Juninho, Alessandro, Eduardo (Botafogo); Fábio Luciano, Emerson, Juan (Flamengo). Público: 58.711 pagantes (63.061 presentes).
Renda: R$ 1.462.853,00.
Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ).
Data: 26/04/2009.
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá.
Auxiliares: Eduardo de Souza Couto e Rodrigo Pereira Joia.

[GE]

Nenhum comentário: